segunda-feira, 11 de junho de 2018

Amor em tempos de Likes.

 Olá Conectados!

 O start para este post, não teve nada a ver com dia dos namorados. Mas, hoje, ao ouvir uma musica da Fernanda Brum, comecei a refletir...

A canção que tinha uma reflexão, assim:" Quem Já Mergulhou Em Águas Mais Profundas, Não Sabe Viver Somente na Superficialidade

 A internet está infestada de declarações públicas de afeto. Quem sabe a maioria até seja amor de verdade!
 Porém, tem gente que ama tão intensamente e publicamente, que me faz desconfiar.  Eu não sou contra a externar o amor e nem sou fiscal da vida dos outros, eu sou apenas mais uma daquelas que desconfia quando a esmola é demais..  
 Eu adoro fotos de amor e declarações fofas na rede. O que me preocupa é que parece haver uma carência de aprovação alheia, quase doentia.
 As relações parecem viver cada vez mais de aparência e menos de amor.  Há um apelo tão grande ao superficial. As pessoas parecem se importar mais com a aprovação externa, e não com o que elas próprias sentem sobre  a relação a que vivem.
 Você deve conhecer essa história: "Era uma vez um casal apaixonado que tinha um facebook... Terminaram 5 meses depois do primeiro post... Passaram 3 dias apagando 60 fotos." 

 Ah, me desculpe se esse post parece um pouco ranzinza demais. 

Mas, quem é de verdade tem medo de viver num mundo raso assim; não tem?
Foto Reprodução Google

 A impressão que tenho é que há um monte de relacionamentos doentes, mas que as pessoas orgulham-se de mantê-los, porque dão likes. O status do facebook passou a ser a meta da vida de algumas pessoas.

 Surpreendentemente, as pessoas conseguem compartilhar a imagem do buquê de rosas que receberam ou deram, acompanhada de uma legenda textão; mas não são capazes de fazer um único elogio, sincero, quando estão a dois. 

  A vida real parece estar pobre de amor, mesmo que algumas postagens estejam ricas de likes. São declarações, on line, doces nas legendas, são fotos do tipo comercial de margarina, são viagens glamourosas, domingos no parque, praia, presentes caros e jantares em restaurantes badalados. 

 Embora, absurdamente, muitos namorados não possuam assunto para que o jantar dure além dos clicks da foto para o instagram. Há casais que são ótimos socialmente, acompanhados de outras pessoas ou de um copo com álcool. Mas, quando estão a dois, ficam entendiados com a intimidade fraca e sem graça. 

 Ninguém é obrigado a guardar para si todo o amor que possui dentro do peito. Compartilhar é legal. O problema está nessa obsessiva necessidade de encenar algo que não é real, especialmente na semana do dia 12 de junho. A aprovação das pessoas, de fora parece ser mais importante que a vida real a dois. O like na foto passou a ser mais importante que o momento vivido na foto.

  Inacreditavelmente, há casos em que apenas a companhia do ser "amado", não serve para entreter. Dizem amar, mas se forem "obrigados" a conversar, pessoalmente, e sem a ajuda da tecnologia ou do sinal de WiFi, já era. 

 Não sabem do que o outro gosta de verdade. Parecem não ter a menor ideia da historia, dos sonhos, dos medos, das vergonhas e nem das neuras do outro. 


 Compartilhar com o mundo o fato de ter encontrado alguém maravilhoso é super legal. É claro que sim! 

 No entanto, só é legal de verdade se for de verdade!. Gostoso é ser bem amado e ser capaz de amar alguém, mesmo que não gere likes. Sortudo é quem se sente conectado a alguém além da banda larga e fotos nas redes. 


  Embora ocorram tantas relações superficiais, existe gente querendo viver histórias reais e verdadeiras. Há muita preocupação na vida, para que se desperdice tempo tentando ser comercial de margarina. Como diriam os ranzinzas: " Antes só; do que acompanhado apenas para postar no facebook. "


Em suma, comercial de margarina pode até ser legal. Mas, todo mundo sabe que margarina não passa de porcaria numa embalagem bonita!

Por hoje é só!
Se gostou, compartilhe! =)
Gui Margutti





3 comentários:

 
© Histórias de uma Coffebooklover - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Thay Atallah.
Tecnologia do Blogger.