quarta-feira, 27 de abril de 2016

Resenha ( Impressões) Sobre o Livro O Café dos Anjos de Max Lucado.

Olá Conectado!

O ultimo livro que citei aqui no blog foi S., e ele me rendeu muita conversa e muita gente nova adicionada nas redes.

Sim, S. é um livro sensacional e há várias postagens sobre ele aqui no blog e no instagram. Não é por nada não, mas o instagram está lindo. Você pode dar uma olhadinha aqui no canto direito da página.



Mas, por hora, chega de S. porque quero falar com vocês sobre um livro maravilhoso que li esse final de semana para a #Vedatona. Uma Maratona literária proposta por 4 canais. Se você quiser saber mais sobre a Vedatona clique aqui.

Um dos  quatros desafios era ler um livro de estilo que eu não tivesse lido esse ano. Esses livros de assuntos do tipo religião ou cristianismo sempre me deixam receosa. Sempre tenho medo que sejam do tipo apontador. Aqueles que ficam nos apontando um monte de erros e como somos maus e pecadores, sabem? Gosto de ler livros ligados à espiritualidade quando já tenho referências ou quando já conheço o autor. 

Apesar da fama do Max Lucado, eu não o conhecia esse autor. Menos 3 para você Gui Margutti!

Eu o descobri assistindo a um vídeo do canal Entre Histórias da Elaíse Cidral. Adorei a capa e saber que a história se passava num Café. Comprei em seguida, mas o deixei lá na estante.

De repente veio a maratona e esse desafio foi proposto. Li no final de semana e amei. #obrigadaElaíse Pois, esse é um livro extremamente enriquecedor. 




O livro conta a história de Chelsea, uma mãe recém separada, que herda um café que está à beira da falência. Sentindo se sozinha e cheia de responsabilidades, Chelsea tenta se virar da melhor maneira possível. Mas, descobrirá que pedir ou ter ajuda é fundamental. Com o coração cheio de amarras e com uma vida toda enrolada para ajustar Chelsea acaba sendo surpreendida pelo amor de Deus.

O meu resumo da obra poderia ser apenas essa acima e, ainda assim, já valeria ler esperando uma "lição de vida". Mas, o livro vai muito além. Os bookaholics e viciados em livros realmente irão gostar porque a história é deliciosa. 

Max escreve de uma maneira tão delicada e tão bem humorada que é como se você realmente se sentisse próximo dos problemas de Chelsea, dos questionamentos do adolescente de 13 anos, dos anjos, do ex marido, do vizinho e do amor de Deus.

Não posso contar muita coisa para não dar spoiler. Mas, o cenário é um café antigo que precisa conquistar novos clientes para sair das dividas e prover o sustento da família. Cada café preparado ali é descrito com tanto carinho que os coffeelovers, como eu, irão ao deleite. 

Há um humor delicioso de Lucado presente na forma como ele escreveu os anjos e conseguiu incluir a saga Star Wars na história. Eu me peguei rindo alto em vários momentos. Quando Deus aparece de alguma forma suas falas também são cheias de humor e graça. Não é um livro indicado somente aos Cristãos, de jeito nenhum.

Claro que para os religiosos essa leitura será um encontro muito mais especial. Mas, se você não é Cristão e nem acredita em Deus, pode ler o livro também.  Encare-o com uma fantasia. Assim, como você lê e assiste a filmes sobre vampiros, zumbis, alienígenas e vários tipos de coisas que considera ficção, leia esse também e encare o como uma ficção sobre anjos.

Você não irá se arrepender, a história é deliciosa. Há uma delicadeza na construção dos personagens. Um cuidado com a maneira como eles são apresentados que você realmente se apaixonará por eles. Eu adoro me apaixonar pelos personagens dos livros e esse é um quesito muito importante quando avalio um livro.



Com uma escrita, leve e fluida, você terminará essa leitura bem rapidinho. Uma coisa importante a dizer é que não é um romance água com açúcar que fica apenas citando a bíblia. Não, de jeito nenhum. Há ação, conflitos, e todo um desfecho bacana que faz com que você fique satisfeito com a história.

Bom, queridos conectados, essa é minha dica de leitura para essa semana. Não se esqueça de me procurar lá no instagram @gui_margutti1 porque tem muita coisa legal lá. Ah, e no canal do youtube também, é claro.

Um beijo, uma boa leitura e um café bem quentinho para você!


sexta-feira, 15 de abril de 2016

Como Ler S.: O Navio de Teseu De JJ Abrams e Doug Dorst - Post 2

 Olá Conectados!

 Ainda sobre "S". Sim, ainda sobre S.

 Não tenho culpa se já fiz 500 posts aqui no blog sobre S. Mas, esse livro tão incrível e fantástico que não me controlo, rss.

 Estou preparando o que deve ser o ultimo post de S, ou não!
Depende das perguntas que estou sempre recebendo, lá no instagram, no blog, no skoob, por mensagem privada e etc.

 Há pessoas me perguntando sobre pássaros em S., sobre a Roda de Eotvos, Sobre o Macaco em S e tantos outros temas. Então, vamos conversar sobre isso.

 Ontem subi para o meu canal do youtube um vídeo explicando como ler esse livro. Se você ainda não o leu, ode assistir, que não tem spoiler, mas tem dicas preciosas!  

 Buttt, porém, todavia, entretanto.... Elaborei um post (logo abaixo do vídeo) que é para quem já leu meus posts anteriores e quer conversar sobre S.

  Esse post é para você que está buscando Spoiler para apaziguar esse coração literário cheio de aflições e angustias sobre S. 
Enjoy!



 Se você está nesse post é porque já leu minhas postagens anteriores e já chegou à fase 04, né? Não?! Bom, de repente você quer spoiler para facilitar a leitura.... de repente desistiu porque achou muito complicado....? Ou, nenhuma das anteriores.

Enfim, se você está aqui, sugiro que leia as postagens anteriores, primeiro. Só uma sugestão! Mas, se estiver com preguiça bora lá discutir S.

 Eu havia indicado ler o livro em 4 fases. E na quarta fase a indicação era ler, novamente, o prefácio e  todas as anotações em preto. Há várias pistas que só somos capazes de perceber quando lemos novamente a introdução e essas anotações. 

Spoiler: Na página 3 do capítulo 01 Jen deixa uma importante pista sobre a Roda de ËotvösEu só percebi essa pista na fase 4 e você?

 Eu sugiro que, nessa fase,  você leia o que é escrito pelos dois com caneta preta. Esses diálogos escritos em preto sugerem que Eric e Jen estavam juntos quando escreviam, já que a caneta usada parece ser a mesma.

Estando juntos, já não haveria mais necessidade de escrever no livro, mas essa forma de comunicação, a escrita, parece ter se tornado algo super importante para ambos. E, obviamente, para o desfecho da obra. Nós, leitores, agradecemos!!  

 Considerações:

 O livro responde a todas as perguntas e a todos os enigmas? Não, não responde. Mas, talvez essa seja justamente a proposta. 
As perguntas vão muito além do livro, elas dependem de cada leitor, sempre dependem. 

 Mesmo que em S. sejamos conduzidos a observar leitores. A ler através dos olhos de outros leitores (Jen e Eric)... Algumas questões serão próprias de cada leitor e de seu contexto.

 Alguns leitores farão analogia de S. com a linguística e às diversas teorias sobre signos, significados e significantes. Outros levarão a Jung (assim como eu) ou a outras áreas da filosofia. E haverá aqueles que encontrarão a forte ligação com o Mito do Navio de Teseu.

 Eu, não encontrei  ligação com a mitologia grega de forma tão representativa, como eu esperava. Esse paradoxo não foi tão relevante para minha leitura, mas cada leitor é dono de sua leitura.

 Porém, muitas coisas em S podem significar muito e podem significar nada. O próprio livro cita o "Macguffin", o termo de Hitchcock, na pág. 69 do cap.03, que diz que o "objeto serve apenas de pretexto para avançar na história". Traduzindo: Serve para embromar! ;D

 Algumas questões do livro se misturarão com as nossas próprias questões: Quem foi ‪#‎Straka‬? Quem foi ‪#‎S‬? Quem foi ‪#‎FXCaldeira‬? Por que sempre 19? O que tem o macaco a ver com a historia? O livro realmente remete ao paradoxo filosófico do ‪#‎NaviodeTeseu‬? Todos os documentos são usados? Tudo que parece pista é? ELA sabia ou não? ELE sabia? É uma história de amor? Há realmente metáforas ou analogias filosóficas? A tal tinta o que representa?
.
 Se ele sabia muda tudo? Enfim... há muito mais perguntas que respostas. Há muito que se pesquisar fora da caixa. 

 Spoiler: Uma das coisas que me deixou intrigada foi que Filomena deixou pistas, no capítulo 10, para uma mensagem deixada na Roda de Ëotvös (anexo do cap. 10)

 Para encontrar essa frase, você precisa buscar na internet as coordenadas, localizações dos lugares citados nas notas de rodapé do cap. 10. Caso você não encontre essas coordenadas deixe um comentário aqui e eu te passo, ok? Deixar aqui de mão beijada, seria tirar toda a graça, não acham?

 Se você quer entender S, terá que recorrer à pesquisa. Tanto na internet como falando com quem já leu. Eu perdi noites sem dormir conversando com leitores de S., e valeu muito à pena!

 Algumas coisas não terão respostas e outras deixarão margem para respostas futuras. Quem sabe um próximo livro ou respostas soltas pelos autores do projeto nas redes sociais, quem sabe? Fiquem ligados no Twitter do Doug Dorst, que está sempre soltando algo.

 Contudo, logo de início já recebemos a orientação de que "manter o foco no escritor e não na obra, desonra ambos". 

 Talvez aqui, preocupar-se demais em encontrar todas as respostas seja desmerecer a grandiosidade da obra de Abrams e  Dorst.  É claro que o livro é sensacional, mas a experiência de ler algo assim é muito mais fantástica que a história em si. ‬ 

  Spoiler: Uma dúvida que ficou comigo foi que se a Roda é a chave para entender Coriolis, como Jen mencionou, significa que a roda já havia sido usada por Straka para o livro anterior. Será que a frase na roda não poderia ser uma resposta de Filomena a alguma mensagem que Straka enviou a ela através da roda? 

 Será que ela estava enviando uma mensagem ou respondendo a uma mensagem de Straka? Ela poderia estar mostrando a ele que encontrou a mensagem dele para ela? 
 Se ela sabia que ele a amava,tudo ganha outro sentido. Entendem? Não me recordo a página, mas Eric menciona sobre algo que Filomena não quis responder e disse que era um "segredinho nosso"(dela e de Straka). 

 Percebam que esse é um livro que não tem fim. Sobre "Siga o Macaco"? Eu o vi como um Arquétipo, mas Eric e Jen parecem saber algo que não nos revelaram. Já que ela diz, na pg. 434, "Imagine se você soubesse sobre o macaco na época"? 

 Sobre o Significado da tão falada tinta? A tinta e a Substancia me levaram a pensar profundamente no trabalho do escritor.

 São tantos pontos relevantes e que dariam varias discussões, e poderíamos cariar outros livros só para discutir S

   Para mim, o mais importante é que Sim, é absolutamente verdade, sobre S. ser uma "declaração intensa de amor à palavra escrita"💘📚

 E, ao final do livro, como ‪#‎leitores‬ apaixonados que somos, podemos entender perfeitamente o quão grande é esse amor. O quão importante é a palavra escrita.

. Se posso resumir a experiencia que vivi ao ler a obra S.?
.
 Foi incrível, intrigante, inovador e o livro ainda está em mim!


Você poderá gostar também de: Guia Para Ler S., O Navio de Teseu.  Clique Aqui.



terça-feira, 5 de abril de 2016

Amizade: Você Lida Bem Com A Felicidade Ao lado? Como Você Reage Ao Sucesso do Seu Amigo?

Olá Conectados,

 Esses dias fui convidada pela Bel Araújo, minha amiga youtuber, a fazer um vídeo com o tema: amizade. Fiquei alguns dias pensando no tema e filosofando com a Bel em longas conversas.

 Gravei o vídeo e o deixarei aqui. Afinal, pedido de amiga youtuber é ordem, para mim! ;) No entanto, creio que eu tenha mais dificuldade de expressar o que sinto ou penso em vídeo do que por meio da palavra escrita.
 Dessa forma decidi compartilhar também, aqui, no blog uma reflexão que venho desenvolvendo há algum tempo.

 Sempre ouvi, como verdade absoluta, a frase: Amigo é aquele que está ao seu lado nos momentos de dificuldade. 

 Obviamente que ter com quem contar é importante, é fundamental! 

 O que me intriga não é ver como amigos estendem a mão, no momento de dificuldade. Mas, perceber como pessoas próximas reagem ao sucesso ou à felicidade alheia. Tanto faz eu usar, aqui nesse texto, sucesso ou felicidade, já que eu considero Sucesso como ter aquilo que te faz feliz.

 Então, a reflexão que faço é: Aquele amigo que está ao nosso lado, na dificuldade, também fica ao nosso lado no nosso sucesso?  Estou perguntando se ele realmente joga no nosso time, se veste a camisa? 

 Quando alguém está bem, é o "rei do camarote", sempre tem a companhia de muita gente. Mas, essas pessoas que estão perto, estão realmente por amor ou por interesse?

 Tenho visto inúmeros casos de pessoas que crescem e começam a ser atacadas, de forma disfarçada, com indiretinhas, comentários maldosos, puxadinhas sutis de tapete... Tudo de forma muito discreta, que às vezes a pessoa atacada nem percebe os invejosos do lado.

 Quando estamos pequenininhos em um projeto, os haters são pessoas distantes. Mas, quando vamos subindo os degraus da escada que leva à realização do objetivo, os haters estão mais próximos. Porém, em muitas vezes, eles usam disfarces. A pergunta é, quem está ao nosso lado na infelicidade pode aguentar a nossa felicidade?

  A resposta parece obvia. Mas, não é. Já vi gente que consolou se transformar quando o consolado conseguiu aquilo que almejava. 

Essa é a reflexão que proponho hoje: Estamos sendo amigos também na conquista, na vitória, do outro? 

 Aguentamos o momento ruim dele porque somos leais ou porque podemos  ser fortes quando ele está fraco? É um jogo de ego? Suportamos ver o outro feliz... Conquistando mais coisas que nós mesmos?

 Estamos sendo quem sente orgulho porque o outro comprou um carro melhor que o nosso ou encontramos defeito no dele, só porque não temos um igual. Ouvimos atentos sobre a viagem fantástica que nosso amigo fez ou damos aquela alfinetadinha? 

 Estamos realmente felizes porque nosso amigo foi capa de um jornal pela tese que ele defendeu no mestrado, ou estamos comentando, pelas costas: "Também, não tem nem vida pessoal. Em alguma coisa tinha que usar o tempo disponível!"

 Essa é uma reflexão que devemos fazer sobre quem são os nossos verdadeiros amigos, mas também sobre nós mesmos. Sobre o quanto realmente somos bons amigos. O quanto desejamos o sucesso do outro.

 Que tenhamos amigos nos momentos difíceis, complicados. Mas, que quando alcançarmos o que buscamos, sejamos amados "também" pelos que estão próximos. 


 
© Café da Alice - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Thay Atallah.
Tecnologia do Blogger.